INDÚSTRIA 4.0 E AS OPORTUNIDADES PARA ÁREA DE SUPRIMENTOS

  16/01/2019 - Por : - -

Sua empresa não acompanhou a Revolução da indústria 4.0? Ou você conseguiu encarar as ameças como novas oportunidades?

Introdução

A internet é a nova realidade, não há como fugir disso há algum tempo. As pessoas conversam, namoram, compram, trabalham e administram empresas através da internet.

Criamos uma realidade virtual que tomou conta de grande parte das nossas horas. E, naturalmente, o perfil, necessidades e preferencias do mercado se alteraram para incorporar esta nova realidade.

As empresas que se agarram ao tradicionalismo, às simples planilhas e apresentações básicas do PowerPoint ficaram para trás. E, consequentemente, deixaram de aumentar seu faturamento e a eficiência dos planejamentos estratégicos.

Segundo a Folha de São, a Federação Internacional de Robótica fez um levantamento de dados e indicou que o Brasil ocupa as piores posições no ranking de automação das empresas.

A aplicação de ferramentas digitais, IA, e robotização é um mundo pouco explorado pelos empresários brasileiros. Essa é uma péssima notícia, mas para um gestor inteligente também pode ser uma ótima oportunidade.

Afinal, quanto menos explorada é uma ferramenta, maiores os seus ganhos no âmbito nacional, certo?

Neste artigo você vai saber tudo sobre a Revolução da Indústria 4.0. Sua história, benefícios, como as maiores empresas estão ganhando com isso. E, qual a aplicabilidade da Indústria 4.0 na área de suprimentos.

Vamos lá?

Boa leitura!

O que é a Indústria 4.0

A Indústria 4.0 é chamada pelos especialistas de a 4ª Revolução Industrial. Portanto, o melhor sinônimo para este termo é exatamente “Revolução”.

Para entender a Indústria 4.0 é preciso saber o significado econômico e gerencial da expressão revolução. Todas as revoluções geram impacto e mudanças estruturais.

No caso das econômicas essas mudanças vão desde a forma de planejar, produzir, transportar até de consumir. Quando as pessoas e as empresas passam a ter, necessidades, preferências e oportunidades diferentes todo o mercado sofre alterações significativas.

De maneira simplificada a 4ª Revolução Industrial insere permanentemente a Tecnologia dentro da gestão e administração empresarial. Desta forma a internet passa a estar presente em todos os setores, como um fator otimizador.

Para que você possa associar automaticamente a Indústria 4.0 com a sua empresa, vamos citar alguns termos que, muito provavelmente, você já ouviu falar:

  • Sistemas;
  • Plataformas;
  • Comércio Digital;
  • Armazenamento em nuvem;
  • Mecanização;
  • Inteligência Artificial;
  • Robótica;
  • Big Data;
  • Internet das Coisas;
  • Redes Sociais;
  • Analytics;
  • E muitos outros

A cada dia novos termos, ideias e mecanismos surgem para que o processo industrial seja mais rápido, eficiente e tecnológico.

É uma revolução que demanda agilidade e muito criatividade por parte dos gestores, claro. Mas você vai perceber que ter uma equipe criativa e proativa torna-se mais relevante do que tantas outras qualificações.

Mas como chegamos até esse ponto?

História da Indústria

A industrialização faz parte da vida do ser humano há tanto tempo, que é difícil imaginar uma época na qual ela não existisse. A maioria esmagadora dos produtos que usamos passou por algum processo industrial.

Desde o óleo de cozinha até os drones. Mas, para entender o impacto da Indústria 4.0 é importante voltar um pouco no tempo.

De maneira bastante resumida as etapas industriais foram:

1ª Revolução Industrial – Inglaterra, séc. XVIII e XIX (de 1760 a 1860), marcada pela substituição do trabalho artesanal, com seus aprendizes e mestres, pelo surgimento das primeiras indústrias e o trabalho assalariado.

Além, é claro, das ferrovias e locomotivas a vapor

2ª Revolução Industrial – Europa, séc. XIX (de 1860 a 1900), o petróleo e a energia elétrica potencializaram a industrialização. Grandes invenções como: motor a explosão, utilização do aço e os produtos químicos impulsionaram o crescimento e alcance das indústrias.

3ª Revolução Industrial – Global, séc XX e XXI, a tecnologia começou a dar seus primeiros sinais, e a globalização foi vista como um dos maiores impactos na economia mundial. Computadores, fax, internet encurtaram as distâncias.

4ª Revolução Industrial – Global, séc. XXI, a tecnologia evoluiu a tal ponto que não apenas possibilitou a comunicação globalizada, mas também a produção, o transporte, pesquisa e o desenvolvimento do mercado.

O termo Indústria 4.0 partiu de um plano de desenvolvimento do governo alemão. A ideia era criar fábricas mais eficientes e inteligentes, cujos três pilares eram:

  • Computação;
  • Automação e
  • Conectividade.

Como você deve ter reparado, existem intervalos de um século entre as primeiras Revoluções, e um salto menor da 3ª para a 4ª, certo?

Ou seja, o contexto industrial sofre mudanças extremamente relevantes e com alto impacto em um período muito menor de tempo. O tempo de absorção e de inserção dos novos modelos também tornou-se menor.

Já não é mais possível esperar anos para verificar os resultados e impactos das mudanças no mercado.

Como funciona a Indústria 4.0

As oportunidades da análise SWOT, na indústria 4.0, não abrem espaço para longas discussões e inúmeros testes e análises. O gestor precisa antecipar as necessidades e criar outras resoluções para as dores do seu público.

E fazer isso com agilidade e criatividade.

A indústria 4.0 funciona como uma colmeia de pequenas revoluções diárias, a atualização deve fazer parte da rotina administrativa. Principalmente da equipe de planejamento estratégico.

Indústria 4.0 no Brasil

A história não diz boas coisas sobre a agilidade das mudanças no Brasil, todas costumam ser lentas e muitas vezes não ocorrem. Entretanto, a internet agilizou consideravelmente as mudanças.

Mas os investimentos em pesquisa e desenvolvimento ainda não são suficientes para colocar o Brasil em uma posição de destaque. O país enfrente uma crise muito severa e que se arrasta por alguns dos anos mais importantes da 4ª Revolução.

Isso não significa, entretanto, que as empresas devam se acomodar e esperar a crise passar. Frear o desenvolvimento é um dos combustíveis para alastrar ainda mais crises econômicas e políticas.

Investimento é a palavra-chave para que o Brasil não seja, novamente, deixado para trás. Afinal, nós não queremos mais ser o pais do futuro, a grande promessa de quem sabe um dia.

E, como mencionamos anteriormente, acompanhar tendências e aproveitar as oportunidades são os dois mantras da indústria 4.0. Portanto, o empresário brasileiro deve ficar atento a alocação dos seus recursos para não estagnar e acomodar-se.

Veja também: O CENÁRIO DE ARMAZENAGEM E LOGÍSTICA NO BRASIL.

Indústria 4.0 na cadeia de Suprimentos

Você já deve ter percebido que a Indústria 4.0 impactou não apenas a manufatura, mas o processo como todo. A cadeia de suprimentos não foge dessas mudanças e as palavras que resumem este impacto são: conexão e integração.

As relações e compartilhamentos de dados são as áreas mais beneficiadas. Afinal, eles são realizados em tempo real e armazenados em nuvem. Ou seja, os custos de processamento de grandes volumes de dados caiu drasticamente, o acesso a essa informação de qualquer lugar e em qualquer dispositivo ficou muito mais fácil e as chances de erros decaem consideravelmente.

Desta forma o alinhamento entre os setores torna-se mais fácil e ágil. Eliminando, portanto, muito ruídos, falhas e perdas.

Ao estabelecer uma comunicação direta e em tempo real com o cliente, o fornecedor pode antecipar necessidades e cobrir de forma satisfatória pedidos de última hora, por exemplo.

Mas a cadeia de suprimentos tem um papel ainda mais importante para uma inserção assertiva da empresa na Revolução da Indústria 4.0. O gerenciamento da cadeia de suprimentos possibilitou a otimização de equipe e capital, além de diminuir custos.

Saiba mais: CADEIA DE SUPRIMENTOS : COMO GARANTIR O SUCESSO?

Mas não para por aí. Hoje, esse gerenciamento também torna-se responsável pelo melhor entendimento da empresa em relação às necessidades, dores e insatisfações dos clientes.

Big Data

A ferramenta que ocasionou essa evolução é o Big Data. Você, com toda certeza, usa ou já ouviu falar sobre ele. De maneira bastante simplista, o Big Data transforma dados em resoluções.

Ele funciona como um agregador de bancos de dados estruturados e não-estruturados, como imagens, textos e vídeos. O processamento e armazenamento destes dados possibilita que os gestores analisem todas as informações disponíveis e criem estratégias mais efetivas.

Afinal, ler e processar dados não-estruturados aumenta em mais de 50% a capacidade de compreensão que uma empresa tem a respeito de toda a sua cadeia produtiva. Desde a manufatura, compras, marketing, vendas, etc.

Big Data é uma das ferramentas que mais gerou mudanças na forma de criar estratégias, saiba mais no post: BIG DATA E O FUTURO DO SETOR DE COMPRAS.

4ª Revolução das Compras Corporativas

Citamos o setor de compras no item anterior, e a indústria 4.0 também ocasionou algumas mudanças bastante significativas neste campo. Alguns especialistas nomearam esse conjunto de mudanças de Compras 4.0.

A ideia principal é integrar a tecnologia à estratégia de compra, com a finalidade de otimizar esse processo. Com alguns programas e ferramentas o setor pode diminuir custos, aumentar lucratividade e evitar desperdícios.

O setor de compras é um dos que mais desperdiçam esses materiais, como papel, tempo e até transações. Apesar de a indústria 4.0 encontrar resistência neste setor a sua inserção é inevitável.

A digitalização, internet em nuvem e as simulações são algumas das ferramentas mais indicadas para o setor de compras. O ideal é que o gestor monte um planejamento completo para inserir essas tecnologias.

Programas de simulação, por exemplo, fornecem no ambiente virtual processos do mundo real, em detalhes. Os gestores, portanto, podem realizar testes, fazer ajustes e incrementações antes de trazer as estratégias para a realidade.

Vale ressaltar que uma equipe preparada e treinada é fundamental para extrair todos os rendimentos da indústria 4.0. Dessa forma não apenas a indústria como unidade, mas o país se tornará mais competitivo.

Afinal, as indústrias internacionais já deram estes primeiros passos há alguns anos.

Leia mais: DEPARTAMENTO DE COMPRAS 10 DICAS DE COMO APRIMORAR

Pequenas Empresas

Já há algum tempo o porte das empresas não é sinônimo de desenvolvimento ou atraso em relação às novas tecnologias. Uma empresa pequena já não é mais gerida por pessoas despreparadas, com livros caixa de papel e envio de boletos e cartas impressas.

A tecnologia tornou-se mais barata e acessível, independente do capital de investimento da empresa. Apesar, é claro, da internet e das tecnologias brasileiras serem mais caras do que na maior parte do mundo.

Ainda assim é um investimento viável e com segurança de retorno para micro, pequenas e médias empresas.

Prova disso são as startups e e-commerces, que aproveitaram a mecanização e a internet para se destacarem entre os tubarões do mercado. Elas costumam, inclusive, estar a frente em relação ao Marketing Inbound, Prospecção, educação e fidelização de clientes.

O uso de plataformas e ferramentas que otimizam as análises são alguns dos destaques da imersão das PME’s na indústria 4.0. Ou seja, as revoluções do séc. XXI não estão voltadas apenas para as multinacionais e grandes empresas.

Este fator é bastante decisivo em um ambiente tão competitivo como é o mercado hoje em dia. Prever tendências, acompanhar as mudanças e evoluções do mundo podem ser atitudes fundamentais para o processo de solidificação das PME’s.

Principais Ferramentas e Novas Tecnologias

  • Big Data;
  • Digitalização da informação;
  • Comunicação sem fio entre máquinas;
  • Sensores;
  • Virtualização;
  • Modelagem;
  • Computação na Nuvem;
  • Inteligência Artificial;
  • Programas de Análise – Analytics;
  • Robótica;
  • Internet das Coisas (IOT) – Equipamentos conectados na internet que se integram, desde máquinas, pessoas, produtos até sistemas;
  • Sistema de Integração Vertical;
  • Sistema de Integração Horizontal;
  • Simulação Computacional;
  • Realidade Aumentada;
  • Cloud Computing;
  • Machine Learning ;
  • Impressão 3D (Manufatura Aditiva).

Benefícios para a empresa

Existem algumas alterações no mercado que um gestor precisa balancear se os gastos, investimentos e alocação de recursos – e de pessoas – realmente vale a pena.

Essa tomada de decisão pondera se o retorno da mudança compensa o tempo e capital investidos.

No caso da indústria 4.0 essa tomada de decisão vai muito além. Afinal, é, como falamos anteriormente, uma revolução.

E quem não acompanhá-la ficará para trás, e em um cenário tão competitivo como o atual significa deixar os concorrentes conquistarem o seu espaço.

Mas, existe uma variedade imensa de plataformas, ferramentas, programas e estratégias que podem ser inseridas tanto na cadeia de suprimentos, como no todo empresarial.

Portanto, é natural que você queira conhecer um pouco mais sobre os benefícios de inserir o conceito de indústria 4.0 na sua empresa. Vamos falar um pouco sobre os benefícios:

Compartilhamento de dados e informações em tempo real;

Todas as informações, dados e resultados podem ser compartilhados em rede, tanto internamente quanto externamente. Ou seja, a empresa pode disponibilizar algumas coisas entre os seus setores para melhorar a comunicação e alinhar estratégias.

E também pode compartilhar outras com seus fornecedores e clientes.

Processamento de dados não-estruturados;

Como mencionado anteriormente, o Big Data tornou-se uma ferramenta que gera alto valor dentro da empresa. Afinal, mais da metade dos dados informacionais são não-estruturados.

Possuir um programa que processa todas as informações auxilia na criação de novas estratégias e tomadas de decisão.

Integralização

A ideia de integralização é fazer com que todos os setores caminhem na mesma direção e velocidade. Integrar a equipe do Financeiro com a de Marketing, por exemplo, pode diminuir custos.

Já a troca entre o setor de Compras e o de Vendas deve potencializar a alocação correta dos insumos. Além, é claro, de aumentar o poder criativo e estratégico de toda a empresa.

Minimização de falhas

Esse é um dos benefícios da automação da indústria. Quando existem muitos processos na fabricação de um produto e cada um deles demanda muitas pessoas o índice de falhas é assustador.

Com a automação, inserção de algorítimos, fórmulas e funções eletrônicas os processos tornam-se mais padronizados, pelo menos em sua base, e menos suscetível a erros e mensurações equivocadas.

Otimização de tempo

A indústria 4.0 aloca sua equipe de forma mais otimizada, sem que cada um dos integrantes tenha que perder tempo realizando operações básicas e repetitivas.

Isso permite, portanto, que o foco se dê em atividades que agregam valor, de criação e estratégia.

Alocação correta de recursos e insumos

A Revolução 4.0 possibilitou a criação de programas, como o MRP, que mensurem quanto e quais insumos precisam entrar em cada etapa do processo. O que, naturalmente, evita desperdício e garante a maior eficiência no processo produtivo.

Controle de estoque otimizado pela demanda

O uso do Big Data, simulações e resposta dos clientes é possível prospectar a produção de maneira a tender a demanda. A empresa consegue antecipar necessidades, dores e até mesmo pedidos extras.

O que diminui consideravelmente os custos com estoque e ainda cativa e fideliza clientes.

Outros Benefícios:

  • Compreensão das necessidades e descontentamento dos clientes;
  • Análises mais assertivas
  • Aumento da produtividade;
  • Diminuição de gastos;
  • Desenvolvimento de novas tecnologias.

Benefícios para o consumidor

  • Personalização;
  • Agilidade;
  • Compreensão de urgências;
  • Armazenamento de preferências;

O que mudou?

Algumas pessoas acreditam que a 3ª Revolução já incluiu a internet como um motor propulsor da produção. E que falar de Revolução, hoje, é exagero. Mas, como você pode perceber neste artigo as mudanças não estão relacionadas apenas à internet.

Ela é, na verdade, um mecanismo, dentre tantos, utilizados nesta nova ordem industrial.

A proposta de valor mudou, o cliente é um dos fatores mais importantes no funcionamento de todos os setores e a integralização de todas as etapas alteraram o modo de produzir.

A possibilidade de simular no mundo virtual a produção real é uma das maiores mudanças dessa nova era. Outro fator de grande mudança é a combinação entre integração de descentralização.

Afinal, hoje, não é necessário que uma grande empresa ocupe um grande espaço. É possível desmembrá-la, inclusive de forma multinacional. E ainda assim fazer com que todas as sedes e setores se comuniquem diretamente em tempo real.

Cuidados

A indústria 4.0 é um conjunto de melhorias e benefícios indiscutíveis, e não apenas isso, ela é uma realidade. Portanto, para garantir que a sua empresa continue sendo competitiva é fundamental se adequar.

Mas a automação e robotização da produção demanda alguns cuidados importantes:

  • Segurança – A espionagem computacional e os hackers são grandes problemas para a segurança de informações e dados das empresas que trabalham com o armazenamento em nuvem.

É indispensável ter programas de segurança e compartimentação de informação. O gestor deve segregar o compartilhamento das informações em externas e internas.

  • Qualidade – Agilizar a produção e automatizá-la não significa de maneira alguma perder qualidade. A atenção com os insumos e produtos deve ser a mesma.

Afinal, a avaliação, criação e montagem de estratégia ainda são processos humanos.

  • Planejamento – Inserir a empresa no modelo disposto pela indústria 4.0 sem planejamento é um erro extremamente recorrente. Sem uma equipe capacitada e infraestrutura que comporte mudanças a inserção das ferramentas da indústria 4.0 são inúteis.

E o gestor deve planejar estrutural e financeiramente a sua empresa para essas mudanças.

Dificuldades

  • Equipe Capacitada

Como mencionado no item anterior, a alta tecnologia demanda uma equipe capacitada. Afinal, é preciso ter pessoas que saibam operar as ferramentas e plataformas que mecanizam a produção.

Neste caso, não basta a experiência. É fundamental que os gestores se preocupem em capacitar sua equipe com treinamento e atualizações periódicas. A agilidade advinda da indústria 4.0 não estática.

Ou seja, é preciso criar uma equipe que esteja sempre alinhada com as novidades do mercado. E tenham capacidade criativa e de aprendizado.

Leia mais: AS HABILIDADES QUE OS COMPRADORES DEVEM POSSUIR NO MUNDO DIGITAL

  • Seleção dos investimentos corretos

Outra dificuldade que merece a sua atenção é relacionado aos investimentos em novas tecnologias. O gestor de área deve ponderar quais ferramentas são eficientes para a empresa.

Para os empresários que estão fazendo a transição o ideal é pesquisar e selecionar as ferramentas básicas antes de inserir as complexas. Lembre-se que o processo de inserção inclui a sua empresa e a sua equipe.

Não basta contratar uma empresa terceirizada.

  • Analisar dados

Apesar de as ferramentas atuais serem extremamente bem elaboradas e inteligentes algumas funções são exclusivamente realizadas por humanos. A análise de dados é uma delas.

A equipe estratégica precisa saber ler dados e resultados para transformá-los em um planejamento com resultados eficientes. E esta é a parte mais complexa, novamente a capacitação da equipe pode garantir os resultados ou serão apenas muitos dados inúteis.

  • Fornecedores alinhados com a tecnologia

A terceira dificuldade que vamos citar neste artigo é o alinhamento de ação entre a sua empresa e os fornecedores. O processo produtivo demanda insumos e suprimentos externos, correto?

Se os seus fornecedores não estiverem no plano de mecanização e automação isso pode influenciar negativamente a sua estratégia. Procure conhecer e escolher seus fornecedores de forma crítica.

Dicas

  • Brainstorm

A estratégia de brainstorm é extremamente comum na área do Marketing, mas com a integralização dos setores ela pode ir muito além. Ao montar uma equipe criativa e atualizada você pode conseguir ótimas ideias com a troca de informações.

  • Assessoria

Se você leu este artigo e pensou: “Eu não sei como começar esse processo de inserção na indústria 4.0”.

Nossa dica é: contrate uma assessoria.

Alguém que analise o seu perfil, as necessidades e falhas da sua empresa e monte um planejamento estratégico. Mas lembre-se, a assessoria deve ser um norte e não uma muleta.

É fundamental que a mudança seja estrutural e que se mantenha no longo prazo. Com investimento em capacitação, infraestrutura e conhecimento.

  • Concorrentes Nacionais

A próxima dica é: Fique atento ao que seus concorrentes estão fazendo. Quais ferramentas e plataformas eles estão utilizando.

Hoje em dia, muitas empresas possuem blogs e canais no Youtube. Tente acompanhar as informações disponibilizadas pelos seus principais concorrentes nacionais.

Mas se você fizer só o que seus concorrentes estão fazendo como se destacar?

Acompanhar os concorrentes não significa copiá-los e sim visualizar as oportunidades e as falhas para usá-las a seu favor.

  • Mercado Estrangeiro

Para que você consiga transformar as informações que recebe em novas estratégias e tecnologias o mercado estrangeiro merece bastante atenção. Infelizmente, as revoluções e mudanças demoram a chegar no Brasil.

A dica, portanto, é que você tente se antecipar e busque as tendências desenvolvidas e seguidas pelas grandes empresas internacionais. Inserir a sua equipe em cursos e Workshops de especialistas é uma oportunidade de se destacar no mercado nacional.

Conclusão

Pronto para usar as melhores ferramentas e plataformas para automatizar a sua empresa?

A ideia deste texto é que você consiga mensurar a importância de se manter em movimento. Mais de 80% das empresas brasileiras não investe ou não utiliza a tecnologia da melhor forma.

E isso é realmente preocupante ao compararmos com a evolução da robótica e mecanização das empresas estrangeiras. Mas também é uma boa notícia para aqueles que enxergam a oportunidade.

Entenda mais sobre ameaças e oportunidades com o post ANÁLISE SWOT O QUE É E COMO ELA PODE SER ÚTIL PARA SUA EMPRESA.

No exterior já existem robôs com dois braços para realizar a etapa de montagem de produtos. Uma das poucas etapas que demandava, impreterivelmente, uma pessoa para realizar.

Portanto, a oportunidade de evolução no mercado nacional é imensa. Ficar atento às mudanças e desenvolvimento de outros países pode colocar a sua empresa a frente dos concorrentes nacionais.

E, inclusive, torná-la competitiva externamente.

Agilidade, efetividade e integração foram alguns dos inúmeros benefícios da indústria 4.0 citados neste artigo. Mas, tamanha tecnologia e integração demanda uma atenção especial em relação à segurança de dados.

Afinal, compartilhar tantas informações e arquivá-las em nuvem pode deixar expostas suas estratégias.

Esta Revolução está apenas dando seus primeiros passos no mercado brasileiro.

A dica, portanto, é estar aberto e preparado para inserir ferramentas de processamento de dados, equipamentos e programas de simulação e outras tecnologias cada vez mais desenvolvidas.

Ter uma equipe capacitada é fundamental para que os resultados sejam efetivos. Além, é claro de ter pessoas que podem auxiliar mais nas tomadas de decisões e no processo criativo.

Pessoas mecânicas e que fazem o processo automático de “Tempos Modernos” terão cada vez mais dificuldades em acompanhar as mudanças e inserir-se na indústria 4.0.

Portanto, os gestores devem pensar em alocar seus investimentos em capacitação e novas tecnologias de forma balanceada.

Ficou com algumas dúvida sobre a indústria 4.0? Deixe nos comentários.

Avalie esse Post

INDÚSTRIA 4.0 E AS OPORTUNIDADES PARA ÁREA DE SUPRIMENTOS
4.6 (91.85%) 27 votes